O Livro

O Livro

Apresentação do Livro CHICORONHO

Apresentação do Livro CHICORONHO
FNAC Almada - 17/04/2010

Apresentação do Livro CHICORONHO

Apresentação do Livro CHICORONHO
FNAC Algarve - 24/01/2010

Vídeos da apresentação do livro CHICORONHO

Loading...

terça-feira, 30 de novembro de 2010

De Cabinda ao Namibe do Professor Adriano Rodrigues

Venho por este meio divulgar o excelente livro do Professor Adriano Rodrigues, que trata assuntos de grande interesse para todos nós angolanos. Eu destaco o seguinte:
Adriano Vasco Rodrigues exerceu o cargo desde 1965, em Angola, de Inspector-adjunto provincial do ensino. Trabalhou também no instituto de investigação cientifica em Angola. No seu brilhante livro De Cabinda ao Namibe, memórias de Angola, publicado pela editora Palimage, na pág. 297 dizia em relação a Angola: "o sistema escolar continuou a impedir a maior parte dos jovens africanos de prosseguirem nos estudos secundários. Esses jovens marginais vieram a constituir os pioneiros, que integraram o exercito do MPLA...". Ele ainda defendeu que a língua portuguesa devia ser leccionada desde o jardim-de-infancia porque "isto evitaria o desastre". Defendeu, nesse sentido, um ensino intensivo da língua portuguesa para os negros angolanos. Mas "os superiores hierárquicos reagiram mal. O secretario provincial ficou mesmo furioso."
Assim se faz a história de Angola!!!

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Ih! Iya!

Vou continuar a falar das interjeições e hoje há uma outra palavra.


Tantas vezes utilizamos o termo «ih» no discurso. Os mais novos, sobretudo a minha geração não sabe que é um termo da Língua Umbundu, mais concretamente é uma interjeição.

As interjeições exprimem por palavras invariável, os sentimentos repentinos da alma.

Nesse sentido a palavra «ih» é admiração.

Uma outra palavra que por vezes uso é «iya!», que significa, sim e/ou aprovação

Aka!

Tantas vezes utilizamos o termo «aka» no discurso. Os mais novos, sobretudo a minha geração não sabe que é um termo da Língua Umbundu, mais concretamente é uma interjeição.


As interjeições exprimem por palavras invariáveis, os sentimentos repentinos da alma.

Nesse sentido a palavra «aka» pode significar admiração e/ou desconformidade.

sábado, 20 de novembro de 2010

A Obra Católica na Huíla

A obra católica em Angola através das congregações dos Capuchinhos e Espírito Santo são de um valor inestimável para todos nós angolanos, reconhecido pelo Presidente de Angola José Eduardo dos Santos, aquando da visita do Papa Bento XVI ao país.


A actual paz que se vive no país, resulta em muito de uma doutrina católica que ao longo de séculos influenciou e moldou a nossa angolanidade.

Uma das maiores riquezas de Angola são as múltiplas etnias que a constituem, mas essa riqueza toma maior dimensão com a sã relação entre elas. Se no passado recente como no presente não assistimos a conflitos étnicos em Angola como tem acontecido em muitos países africanos, deve-se em grande medida à educação das Missões Espírito Santo, sem esquecer as missões protestantes que chegaram a Angola, São Salvador do Congo em 1878 com a Sociedade Missionária Baptista Inglesa.

Hoje podemos estudar a Língua Nhaneca, graças ao incansável trabalho em finais do século XIX, inicio do século XX dos Missionários Espírito Santo, com destaque para:

Padre Dekindt

Padre Villain

Padre Bonnefoux

Padre Afonso Maria Lang

O padre Bonnefoux escreveu um dicionário Olunyaneka – Português (1941) – edição póstuma - e ainda Breve Método da Língua Nyaneka.

O padre Villain escreveu à mão um vocabulário português-nhaneca bastante desenvolvido.

O padre Lang escreveu uma gramática da língua nhaneca, impressa em Portugal em 1906 – Ensaios de Gramática Nyaneca, «por Afonso Maria Lang, Missionário do Espirito Santo».

Aldeia na Língua Nhaneca

Na época da fundação do Lubango, a língua e a etnia predominante era a Nhaneca. Por conseguinte as aldeias não se chamavam Sanzalas (quando muito Osandyala), apesar de hoje ser um termo generalizado.


Na língua Nhaneca, aldeia podiam designar-se de: okalongo; otyilongo (o ty foneticamente lê-se como Ch ou X). É desta palavra que deriva Quilombo (as letras Qui, foneticamente lêem-se Ch ou X), o nome dado às aldeias no Brasil onde se concentravam os escravos fugidos das fazendas, onde eram explorados .

Contudo, também se designavam as aldeias de:

. Eumbo

. Osandyala (daqui o termo sanzala)

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Constatar e não Julgar!

Quando estudamos a história de Angola devemos ter a serenidade de aceitar os factos.


O que aconteceu no tempo colonial, tem de ser analisado e contextualizado há época.

Quando se fala da descriminação, dos privilégios dos colonos da triste história dos contratados, temos de encarar tudo isto – colonos e colonizados, brancos e negros - não numa perspectiva de julgamento com base numa visão moderna porque isso é distorcer a própria história. Devemos apenas constatar os factos históricos. Por muito que custe a uns e outros, relatar, descrever a realidade do passado histórico de Angola, não é exorcizar fantasmas, mas sim evitar que eles nunca mais regressem.

Branquear a história é ocultar a verdade e isso é perigoso, porque impossibilita à humanidade de evitar erros do passado. O mundo está repleto de exemplos desses.



«Julgar o passado pelos seus aspectos negativos e encarando


prismas de acção modernos, traduz um falso pressuposto, porque nem

o passado deixa de ser motivo de reflexão, nem o presente consegue es-

conder a força histórica que agigantou um povo» *)



*) – Prof. Joaquim Veríssimo Serrão, História de Portugal, I vol.

1977, pág. 16.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Trinta e cinco anos

Trinta e cinco anos,


São os anos de libertação

Resultantes da opressão

Viva, viva

Viva a Independência

Viva a libertação

Viva o fim da colonização

Hoje as lágrimas correm

Não de dor

Nem de tirania

Hoje elas correm de alegria

Porque hoje a minha terra é livre

Já não há contratados

Apenas empregados

Viva , Viva

A minha terra é paixão

Seus povos são beleza de expressão

Sua natureza é maravilhosamente sufocante

Esta é a minha terra

Onde para o meu coração

Onde mora a emoção

Viva, viva

ANGOLA